Idioma: English
Idioma: English Español Português

O Livro de Mórmon: Evidências Externas Parte I

De Jerusalém a Abundância

O primeiro DVD da sérieJornada de Fé fala da viagem realizada pelo Profeta Israelita chamado Leí e sua família no ano 600 a.C., e do seu êxodo partindo de Jerusalém, atravessando o deserto Arábico pela costa.O segundo DVD da série Jornada de Fé aborda a cultura religiosa, a terra, e os idiomas que circundava os descendentes de Leí e Saria no Novo Mundo. O Filho de Leí, Néfi, inicia o Livro de Mórmon aproximadamente em 600 a.C., preservando-o por meio da inscrição em placas de metal. A narrativa não veio à luz até o ano de 1820, quando por divina revelação, Joseph Smith foi guiado ao lugar onde as placas estavam enterradas, um monte no estado de Nova Iorque. Deles ele traduziu o Livro de Mórmon: Outro Testamento de Jesus Cristo.

Book of MormonO Livro de Mórmon contém o registro de diferentes povos pelo período de mil anos, harmonizados pelo resumo de um pai e um filho, Mórmon e Moroni, que viveram por volta do ano 400 d.C., incluindo a visita de Jesus Cristo ao povo Nefita depois de Sua ressurreição.

Este primeiro artigo fala sobre as evidências externas que incidem sobre o que foi descoberto a respeito da jornada de Leí de Jerusalém até a costa no sul de Omã, de onde ele e sua família partiram para o Novo Mundo.[1]

Em 1976, Lynn e Hope Hilton viajaram para a Arábia Saudita e o sul de Omã para tentar estabelecer o ponto do qual Leí e sua família partiram para as Américas.[2] Na sequência da primeira viagem, varias incursões foram feitas, não só para descobrir onde se localizava “Abundância” (ver 1 Néfi 17:05), mas também o percurso que Leí e sua família fizeram quando partiram de Jerusalém.

S. Kent Brown fez uma extensa pesquisa, tanto sozinho quanto com uma equipe de especialistas de várias universidades sobre a antiga rota comercial conhecido como a Trilha do Incenso—a provável via de Jerusalém. Esses achados têm sido uma característica regular do Diário do Livro de Mórmon e Outras Escrituras da Restauração.[3]

Jerusalém

Muito trabalho tem sido feito para ancorar o registro do Livro de Mórmon daquilo que é conhecido da Jerusalém do ano 600 a.C.. Em 2004, o Instituto Maxwell publicou Vislumbres da Jerusalém de Leí, editado por John W. Welch, David R. Seely, e H. JoAnn Seely.

Este livro tenta responder a tais perguntas e revelar partes daquele mundo. Muito do que existia naquela época foi perdido para sempre. As admoestações dos profetas sobre a destruição Jerusalém pelos babilônios logo após a fuga de Leí. O Templo de Salomão e as muralhas da cidade foram derrubados. Edifícios foram queimados. Tesouros foram saqueados. Pessoas foram mortas ou deportadas. Muitos dos registros foram destruídos, e certas crenças religiosas foram alterados ou extintas. A maioria do que sabemos sobre estes eventos é proveniente dos relatos escritos por alguns dos sobreviventes e influenciados por seus preconceitos. Evidências arqueológicas e textuais nos permitem obter apenas um vislumbre deste acontecimento. Cuidadosamente ligados entre si, no entanto, esses instantâneos se misturam em um olhar útil e interessante.[4]

O Vale de Lemuel

O primeiro marco descrito no relato da viagem da família de Leí no deserto, além das fronteiras da Judéia é o “Vale de Lemuel”, assim chamado por Leí:

“E ele [Leí] desceu pelos limites perto da costa do Mar Vermelho; e viajou pelo deserto, do lado mais próximo do Mar Vermelho; . . . E aconteceu que depois de haver viajado três dias pelo deserto, ele armou sua tenda num vale, à margem de um rio de águas. . . . E também disse a Lemuel: Oh! Tu poderias ser como este vale ( 1 Néfi 2:5–10). A partir de então, ele foi referido como o “Vale de Lemuel” (ver 1 Néfi 2:14; 9:1; 10:16: 16:6). S. Kent Brown,ao resumir as tentativas para descobrir a localização do vale, determinou que Wadi Tayyib al-Ism, no noroeste da Arábia é um candidato muito provável:

O cânion, chamado Wadi Tayyib al-Ism, parece se encaixar perfeitamente com a descrição de Néfi de um “vale firme, constante e imutável”, com um “rio, continuamente correndo” (1 Néfi 2:9-10). Este achado se encaixa ainda mais no perfil porque as pesquisas concluíram que “o Mar Vermelho. . . não possui nenhum afluente. Neste contexto, o Mar Vermelho é único. “Apenas na costa do Iêmen se encontram rios perenes como o Wadi Hagr que desembocam no sul, mas não no Mar Vermelho.

O fato de que atualmente este rio não desemboca no Mar Vermelho poderia desqualifica-lo como tal, mas, Brown continua a explicar que, com o passar do tempo o terreno tem se elevado de modo que, “existe clara evidência geológica que o litoral noroeste da Arábia tem se elevado. . . . todos os indicadores geológicos apontam que o rio localizado no cânion de Wadi Tayyib al-Ism na antiguidade desembocava no Mar Vermelho.” [5]

Naom

Enquanto Leí e sua família, e agora também com a família de Ismael, cujos filhos se casaram com aqueles da família de Leí (1 Néfi 16:7), viajavam pelo deserto, Ismael morreu: “E aconteceu que Ismael morreu, e foi enterrado no lugar chamado Naom (1 Néfi 16:34). Mais uma vez, Kent Brown resume para nós o significado desta menção aparentemente insignificante,

Hugh Nibley e outros depois dele notaram a frase passiva, “o lugarchamado Naom” (enfase adicionada),conota que o nome já havia sido atribuídas a essa área por moradores locais antes que o clã de Leí ali chegasse. Ao contrário do caso do “Vale de Lemuel”, o pai Leí não conferiu um nome para este local. Outras pessoas já tinham estado lá e eles tiveram que lidar com a sua presença.

Em um “templo Baran localizado em Marib, a antiga capital do reino de Sabá, que fica a cerca de 112 quilômetros a leste da moderna Sanaa, capital do Iêmen”, um antigo altar com a seguinte inscrição foi descoberto, um certo Biathar . . . um Nihmite”, doou o altar do templo. [6]A existência da raiz * NHM (os antigos idiomas semitas não tinham vogais), é um forte indício da existência de um antigo lugar chamado Naom no Livro de Mórmon.

Abundância

Se um grande esforço tem sido feito para localizar o Vale de Lemuel e o lugar do enterro de Ismael, não é nada em comparação com a extensão das incursões arqueológicos para tentar estabelecer onde Néfi construiu seu barco e da onde partiu para o Novo Mundo, “E permanecemos no deserto pelo espaço de muitos anos, sim, oito anos no deserto.E chegamos à terra a que demos o nome de Abundância, por causa das muitas frutas e também do mel silvestre” (1 Néfi 17:4–5).[7] O consenso é de que em algum lugar ao longo da costa sul de Omã (uma área rica em portos naturais e vegetação), as condições eram tais que o filho de Leí, Néfi teria sido capaz de encontrar o material necessário para construir um barco. Além disso, as famílias teriam sido capazes de viver lá tempo suficiente, e encontrar água e comida adequadas, para a realização de um empreendimento tão grande.

 


[1] O Instituto de Estudos Religiosos Neal A. Maxwell já publicou vários livros que lançam luz sobre as antigas origens do Livro de Mórmon. Por exemplo, Daniel C. Peterson, Donald W. Parry, e John W. Welch, eds., Echoes and Evidences of the Book of Mormon (Provo, UT: FARMS, 2002). A emblemática publicação do Instituto, agora intitulado Journal of Book of Mormon and Other Restoration Scripture,publicou vários artigos que tratam das evidências internas e externas ao longo dos anos. Há um livro auxiliar para o primeiro Journal of FaithDVD: Journey of Faith: From Jerusalem to the Promised Land.

[2] See Lynn and Hope Hilton, In Search of Lehi’s Trail (Salt Lake City: Deseret Book, 1976). O leitor é convidado a abrir as versões PDF dos referentes artigos aqui para ver as ricas fotografias e ilustrações que a acompanham.

[3] Ver, por exemplo, o debate, “Planning the Research on Oman: The End of Lehi’s Trail,”; “The Hunt for the Valley of Lemuel,”; “New Light: Nahom and the ‘Eastward’ Turn,”. Veja também, “The Golden Road,” no Journey of Faith livro auxiliar.

[4] “Introdução,”.

[5] S. Kent Brown, “Hunt for the Valley of Lemuel.”

[6] S. Kent Brown, “‘The Place That Was Called Nahom’: New Light from Ancient Yemen,”. Uma pesquisa no site do Instituto Maxwell para “Naom” permitirá ao leitor que veja vários artigos que confirmam esta evidência.

[7] See, for instance, Warren P. Aston, “The Arabian Bountiful Discovered? Evidence for Nephi’s Bountiful,”; Richard Wellington e George Potter, “Lehi’s Trail: From the Valley of Lemuel to Nephi’s Harbor,”; Wm. Revell Phillips, “Mughsayl: Another Candidate for Land Bountiful,”.

Copyright © 2017 Filmes Jornada de Fé. Todos os direitos reservados.
Esta página web não pertence nem é afiliada a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (algumas vezes também chamada de Igreja Mórmon ou Igreja SUD). Os pontos de vista expressos pelos usuários são de responsabilidade dos mesmos e não representam necessariamente a posição da Igreja. Para acessar os sites oficiais da Igreja visite: LDS.org ou Mormon.org.